Seção de atalhos e links de acessibilidade

Economia

Sobre nossa Economia

O nome do municÍpio é uma homenagem ao eminente homem público Júlio José de Campos, e uma alusão à singularidade dos campos que abrangem o território do município. Uma topografia plana, bonita com terras férteis e próprias ao cultivo da soja.
Antes de ser colonizada, esta área foi povoada pelos índios Nambikwára e pelos Ená-wenê-nawê, que ainda consideram como sagrado parte deste território, por seus antepassados terem vivido nesta região.

Quando surgiu a idéia de se colonizar a região que compreende atualmente o município de Campos de Júlio, quem governava Mato Grosso era Júlio José de Campos, tradicional político mato-grossense que já foi prefeito municipal em Várzea Grande, deputado federal por duas vezes e senador.
             O início da colonização deu-se através da atuação de Valdir Masuti, que trouxe à região dezenas de famílias sulistas. Formou-se um povoado, tendo a sua volta milhares de hectares de plantações de soja, a economia que sustenta a região.
            A Lei Estadual nº 5.000, de 13 de maio de 1986, criou o distrito de Campos de Júlio, sancionada pelo governador Júlio José de Campos. A Lei Estadual nº nº 6.561, de 28 de novembro de 1994, criou o município de Campos de Júlio.

 

Dados 
Aniversário     28 de novembro
Fundação     28 de novembro de 1994
Unidade federativa      Mato Grosso
Mesorregião     Norte Mato-grossense 
Microrregião     Chapadão do Parecis 
Municípios limítrofes     Sapezal, Comodoro, Nova Lacerda
Distância até a capital     520km 
Área     6 804,577 km² 
População     7 500 hab. 
Densidade     0,74 hab./km²
Clima     tropical
Fuso horário     UTC−4
IDH     0,744 (2019)
PIB     R$ 645 640,220 mil 
PIB per capita     R$ 193.805,46 (2019)

        A base econômica do município de Campos de Júlio é agricultura:

PRODUTO

ÁREA

PRODUÇÃO

SOJA

207.000 HA

745.000 TON

MILHO

128.000 HA

768.000 TON

ALGODÃO

46.886,37 HA

168.790,93 TON

FEIJÃO

1.183 HA             

 2.484,30 TON

ARROZ

430 HA

1.419 TON

GIRASSOL

130 HA

237 TON

SORGO

2.793 HA

14.244,30 TON

MILHO PIPOCA

6.200 HA

33.474,60 TON

CANA DE AÇUCAR

3378HA

 270.240,00 TON

REBANHO DE GADO

95.000 cabeças

95.000 cabeças

A pecuária de corte está em franca expansão.

(Dados atualizados junto ao INDEA, com o Engenheiro Agrônomo Mauro Bortolás no dia 21/10/2022)